São Paulo, 19 de junho de 2024

Apoio:

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio

08/06/2024

Mexicana de Aviación encomenda 20 jatos E2 da Embraer

(09/06/2024) – A companhia aérea estatal do México, a Mexicana de Aviación, fez um pedido à Embraer de 20 jatos E2. O acordo inclui 10 jatos E190-E2, assim como 10 jatos E195-E2, com entregas previstas para o segundo trimestre de 2025. A companhia aérea vai configurar o E190-E2 com 108 assentos e o E195-E2 com 132, ambos em classe única.

A Mexicana será a primeira operadora dos jatos E2 no México e a escolha pelos jatos da Embraer foi determinada pelos baixos custos operacionais e pela eficiência de combustível dessas aeronaves, que além de promover voos mais eficientes, promovem a sustentabilidade.

A estratégia da Mexicana, com esta compra, é de crescer e de modernizar a sua frota, fortalecendo a conectividade doméstica e internacional para oferecer viagens acessíveis e confortáveis aos seus clientes, com os bons padrões operacionais e de segurança da Embraer.

A Mexicana será a primeira operadora da família E2 no México. É uma companhia aérea que vem se destacando pelo rápido crescimento que alcançou desde o reinício de suas operações, em dezembro de 2023.

Hoje, a empresa já está voando para 18 destinos, tendo transportado mais de 115 mil passageiros e acumulado mais de 3.280 horas de voo nesse curto período.

“Fornecendo aeronaves para uma companhia com esta história de sucesso, a Embraer reforça novamente o seu compromisso com a excelência operacional e o bom atendimento aos clientes”, comemora Priscilla Doro Solymossy, vice-presidente de Vendas & Marketing da Embraer Aviação Comercial para América Latina e Caribe.

A Mexicana de Aviación é hoje parte do grupo Olmeca-Maya-Mexica e sucedeu a empresa do mesmo nome, que acabou por falir. Esta operava voos domésticos e voos internacionais para a América do Norte, América Central, Caribe e América do Sul. A sua base principal estava localizada no Aeroporto Internacional da Cidade do México

A empresa era a principal concorrente da Aeroméxico, apesar de ambas as companhias terem sido unidas por mais de uma década. A Mexicana original era, quando faliu, a quarta companhia aérea mais antiga do mundo, atrás apenas da holandesa KLM, da colombiana Avianca e da australiana Qantas.

Usinagem Brasil © Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por:

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Privacidade.