São Paulo, 29 de maio de 2024

Apoio:

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio

04/05/2024

Venda de máquinas tem queda expressiva no 1º trimestre

(05/05/2024) – Dados divulgados pela Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos relativos ao primeiro trimestre do ano registram queda na receita líquida de vendas do setor no período, da ordem de 21,3%.

De acordo com a pesquisa Indicadores Conjunturais, a queda deu-se tanto no mercado interno como no externo. Dentre os segmentos, os piores desempenhos foram registrados no setor de máquinas agrícolas, na indústria de transformação e de infraestrutura e indústria de base.

No mercado doméstico, o setor acumulou queda geral de 21,9%, mas observou estabilidade na receita de vendas de componentes para bens de capital, assim como crescimento na comercialização de máquinas para logística e construção civil.

O consumo aparente de máquinas e equipamentos – resultado da soma da aquisição de bens produzidos localmente com os importados -, registrou em março nova queda na comparação com o mesmo período do ano anterior, de 20,6%. Com isso, a Abimaq avalia que no trimestre os investimentos tenham encolhido 14,5%.

A expectativa da entidade é de que, ao longo do ano, o setor agricola e mais o de infraestrutura e a indústria de transformação registrem resultados melhores, contribuindo para o aumento da receita ao final de 2024.

Para a Abimaq, fatores como eleições municipais, obras relacionadas ao PAC e políticas públicas recentemente anunciadas têm o potencial de direcionar o país a um novo ciclo de investimentos.

Exportações – Embora as exportações de máquinas e equipamentos tenham encerrado março com um volume de vendas 24,6% acima do saldo de fevereiro, houve também queda neste indicador no primeiro trimestre diante do mesmo período de 2023, quando o setor atingiu recorde de vendas no mercado externo.

O mês de março registrou incremento nas exportações de quase todos os segmentos monitorados, tendo sido observado recuo apenas nas exportações de máquinas para infraestrutura e indústria de base.

De outro lado, o volume de importações também aumentou no último mês de março. Houve crescimento tanto diante de fevereiro, de 13,9%, quanto em relação ao mesmo mês do ano anterior, de 0,1%. No mês foram importados US$ 2,4 bilhões em máquinas e equipamentos, contra US$ 2,1 bilhões em fevereiro.

Usinagem Brasil © Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por:

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Privacidade.