São Paulo, 16 de abril de 2024

Apoio:

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio

16/03/2024

73% das grandes indústrias pretendem investir na produção em 2024

(17/03/2024) – 73% das grandes indústrias que operam no Brasil têm planos de investimentos em 2024. Conforme a pesquisa Investimentos na Indústria, realizada pela CNI – Confederação Nacional da Indústria (CNI), o índice ficou 5 pontos percentuais acima do observado na pesquisa de 2023. Na avaliação da entidade, a alta representará aumento na capacidade produtiva e melhoria dos processos produtivos industriais.

De acordo com o superintendente de economia da CNI, Mário Sérgio Telles, os principais objetivos dos investimentos planejados para 2024 pelas grandes empresas são a ampliação ou melhoria da capacidade produtiva (42%) e a ampliação ou melhoria do processo produtivo atual (42%). Um percentual menor, de 9%, pretende investir em novos produtos, e 7% dizem que o investimento estará direcionado para novos processos produtivos. Foram ouvidas 381 empresas com mais de 250 empregados.

“É importante notar o aumento percentual das grandes empresas que pretendem investir em 2024, especialmente depois de um ano com um percentual baixo de empresas investindo e com frustração elevada nos planos de investimentos”, diz o economista. “O equilíbrio entre a preocupação com aumento da capacidade produtiva com a melhoria do processo produtivo sugere tanto a expectativa por maior demanda como a busca por modernização, alinhada com as necessidades da neoindustrialização, como inovação e compromisso ambiental”.

Diante do alto custo do crédito, 39% das grandes empresas com planos de investir afirmaram que pretendem usar exclusivamente recursos próprios, e os investimentos de outros 29% serão feitos em sua maior parte com recursos da própria empresa. Além disso, 30% das grandes empresas devem financiar a maior parte de seus investimentos com recursos de terceiros, enquanto 3% informaram que vão usar somente recursos de terceiros.

Entre as grandes empresas que não planejam investir em 2024, 64% justificaram essa decisão pela falta de um plano de investimento ou pela ausência de intenções para iniciar um novo investimento no momento. Outros 33% adiaram ou cancelaram investimentos em andamento.

Maioria dos investimentos mira o mercado interno – O foco das grandes indústrias com investimentos planejados para 2024 é o mercado interno. De acordo com a pesquisa da CNI, 40% das empresas que pretendem investir este ano assinalaram que seus planos de investimento estão voltados principalmente para o consumidor brasileiro, 20% afirmaram que visam o mercado interno e 31% informaram que o alvo será igualmente os mercados interno e externo.

Mas, ao contrário do que ocorre normalmente, houve uma novidade no mercado-alvo dos investimentos planejados. Pela primeira vez, o percentual de empresas que planejam investir no mercado externo atingiu 10% na série histórica. Em 2023, o percentual era de apenas 5%.

“Embora o foco seja ainda o mercado interno, importante perceber a maior atenção com o mercado externo, o que mostra a importância da integração com cadeias produtivas internacionais, um dos nortes da neoindustrialização”, avalia Mário Sérgio Telles.

No ano passado, 77% das grandes indústrias que realizaram investimentos adquiriram máquinas ou equipamentos. O percentual inclui tanto o investimento em máquinas novas quanto usadas. Do total das grandes empresas que fizeram qualquer tipo de investimento no ano passado, 73% compraram máquinas equipamentos novos e 18% compraram máquinas ou equipamentos usados.

O segundo tipo de investimento mais comum, que alcançou 53% das grandes indústrias, foi a atualização ou modernização de plantas, fábricas e armazéns. Já 42% afirmaram terem atualizado ou modernizado máquinas ou equipamentos.

Receba notícias
em seu e-mail

Usinagem Brasil © Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por:

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Privacidade.