São Paulo, 19 de abril de 2024

Apoio:

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio

24/02/2024

Kyocera planeja ampliar as operações no Brasil

(25/02/2024) – A Kyocera do Brasil está avaliando ampliar a operação no País. Nesse sentido, a direção da subsidiária brasileira, instalada em Sorocaba (SP), está analisando o extenso portfólio de produtos do grupo.

Para se ter uma ideia, a Kyocera Corporation é um conglomerado que reúne 298 empresas ao redor do mundo, distribuídas pelos segmentos de Componentes Industriais e Automotivos; Componentes Eletrônicos e Semicondutores; Ferramentas Industriais; de Soluções de Documentos; Comunicações; Utilidades Domésticas, entre outros.

“Hoje, no Brasil, atuamos na área de ferramentas de corte e nesse segmento estamos registrando crescimentos expressivos nos últimos anos, ritmo que deve se manter em 2024”, diz Hiroshi Nakadoi, diretor vice-presidente da Kyocera do Brasil Componentes Industriais. “Para os próximos anos, porém, estamos trabalhando para alcançarmos um crescimento ainda mais robusto, com a entrada em novos segmentos da indústria no Brasil”.

O executivo informa que são muitas as possibilidades de ampliação da operação brasileira. Uma delas é a linha de ferramentas elétricas e pneumáticas, segmento no qual o grupo Kyocera realizou várias aquisições de empresas na Europa, EUA e Japão. Porém, o executivo prefere não revelar os planos futuros. Por enquanto, segundo ele, a única definição é o lançamento das jaquetas com ventilação própria, de uso industrial. “Trata-se de um produto de grande sucesso no mercado industrial que, no ano passado, vendeu 400 mil peças só no Japão”, explica.

FERRAMENTAS DE CORTE – A Kyocera vem registrando crescimento constante no mercado brasileiro na linha de ferramentas para usinagem. Uma das explicações para esse desempenho são os investimentos realizados na ampliação das equipes técnica e de vendas diretas. A empresa também reforçou o programa de treinamentos técnicos dos profissionais de campo, incluindo os funcionários da rede de distribuição.

“Vamos continuar investindo forte na área técnica, incrementando nossa capacidade de levar soluções aos clientes, assim como daremos continuidade ao processo de maior proximidade e suporte à nossa rede de distribuição”, diz Nakadoi. Também está nos planos ampliar a rede para atingir estados e regiões ainda não completamente atendidos pela empresa.

Para alcançar o desempenho nos anos mais recentes foi fundamental o investimento realizado na nova sede da subsidiária brasileira, no bairro do Éden, também em Sorocaba, município onde a empresa se instalou há quase 50 anos (1975), com a unidade de negócios de câmeras fotográficas. A operação de ferramentas de corte só chegou ao Brasil anos depois, em 2000.

As novas instalações, mais modernas, contam com um Tech Center, que ganhou novas máquinas e softwares de engenharia, sala de treinamento e um bem equipado laboratório de metrologia e inspeção de ferramentas. A nova estrutura tem apoiado o corpo técnico e de vendas no desenvolvimento de novas aplicações e projetos de ferramentas especiais, assim como em testes de usinagem para os clientes.

“Com essa nova estrutura – que tem contato direto com a matriz, no Japão – temos buscado ampliar a entrega de soluções para os clientes. Essa nossa nova capacidade técnica está nos permitindo entrar em grandes contas e oferecer nossas soluções”, diz o vice-presidente da Kyocera do Brasil.

Para a expansão da empresa no mercado brasileiro também têm contribuído os novos desenvolvimentos da matriz, no Japão, com destaque para as novas linhas com revestimento PVD, uma das especialidades da marca no mercado de ferramentas. Segundo a direção da filial, essas novas coberturas têm permitido um crescente avanço da marca especialmente nas áreas de microusinagem e de fresamento.

Quanto aos segmentos industriais, a Kyocera tem obtido sucesso no fortalecimento da presença da marca nos segmentos médico e automotivo. “Para atingir nossas previsões para 2024, contamos também com uma recuperação nos segmentos de máquinas pesadas, ônibus e caminhões”, conclui Nakadoi.

Receba notícias
em seu e-mail

Usinagem Brasil © Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por:

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Privacidade.