São Paulo, 20 de junho de 2024

Apoio:

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio

30/08/2022

Investimentos voltam a crescer em São Paulo em 2022

(31/08/2022) – O volume de investimentos nos setores de infraestrutura, indústria, serviços e comércio voltou a crescer em São Paulo. Segundo levantamento realizado pela Fundação Seade, ligada ao governo estadual, os investimentos anunciados no primeiro semestre de 2022 alcançaram o patamar mais elevado desde o primeiro semestre de 2019, período anterior à pandemia de Covid-19.

De janeiro a junho de 2022 foram anunciados um total de R$ 47,7 bilhões no Estado. Na comparação entre os primeiros semestres dos últimos oito anos, 2022 só perde para os de 2019 (68 bilhões) e 2015 (56,5 bilhões). O montante apurado no primeiro semestre é superior a todo o ano de 2021.

Os anúncios estão distribuídos da seguinte maneira: Infraestrutura, 45%; Indústria, 31%; Serviços, 22%; Comércio, 2%. No setor de Infraestrutura, com um montante de R$ 21,5 bilhões, mais de 70% dos recursos envolveram atividades ligadas aos transportes, influenciados por concessões recentes de rodovias e terminais portuários a empresas privadas, e pelo crescimento da demanda do transporte aéreo de passageiros.

Também se destacaram as inversões em energia, como as voltadas para o aumento da capacidade de produção de diesel menos poluente e a fabricação de biocombustíveis com resíduos de cana (etanol) e lixo (biometano), além dos empreendimentos para gerar eletricidade por meio de fontes renováveis (solar, resíduos sólidos urbanos e florestais). Em saneamento básico, sobressaiu a aplicação de recursos para expansão e melhoria dos serviços de coleta e tratamento de esgoto.

INDÚSTRIA – De acordo com o levantamento da Fundação Seade – que toma por base as divulgações das próprias empresas publicadas na imprensa -, os investimentos na Indústria somam R$ 14,6 bilhões a Indústria, em sua quase totalidade por empresas de capital estrangeiro, predominantemente asiático.

No segmento automotivo, o investimento de maior porte, R$ 10 bilhões, se refere à instalação da Great Wall Motors (montadora chinesa que adquiriu a fábrica da Mercedes em Iracemápolis) para a produção de veículos híbridos e elétricos. Outro destaque é o investimento de R$ 1,1 bilhão, da Honda, para expansão da planta de Itirapina. Já a Iochpe-Maxion divulgou investimento de R$ 100 milhões, destinado à ampliação da capacidade de produção de rodas para caminhões e equipamentos agrícolas, em Cruzeiro.

Máquinas e equipamentos – Os principais investimentos anunciados no segmento de máquinas e equipamentos no período foram as da Komatsu, no montante de R$ 158 milhões para ampliação e modernização da fábrica de Suzano, que produz equipamentos pesados para construção civil e mineração.

Outro destaque é o da Wipro do Brasil Industrial, empresa de origem indiana, fabricante de atuadores e cilindros hidráulicos, que irá investir R$ 135 milhões em sua segunda unidade industrial em Piracicaba.

Ainda no segmento industrial, a lista traz os investimentos da Heineken (R$ 2 bilhões) para a modernização das cervejarias de Jacareí, Campos do Jordão, Itu e Araraquara; e a expansão da capacidade da fábrica de laminados de alumínio e de reciclagem de sucata da Novelis (R$ 450 milhões), em Pindamonhangaba.

Usinagem Brasil © Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por:

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Privacidade.