São Paulo, 18 de maio de 2022

Apoio:

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio

05/03/2022

Falta de componentes provoca novas paralisações

(06/03/2022) – A exemplo de 2021, a escassez de semicondutores continua afetando diretamente o mercado automotivo nacional. Na semana passada, as empresas Mercedes-Benz e Caoa Chery anunciaram medidas para desacelerar a produção.

A Mercedes-Benz optou por dar férias coletivas para 600 trabalhadores em São Bernardo do Campo (SP). Os funcionários, que atuam nas áreas de eixos, câmbio e caminhões, vão permanecer em casa por 12 dias, de 14 a 25 de março. A companhia emprega 8 mil pessoas na unidade, 6 mil delas na produção.

A empresa admite que existe a possibilidade de que mais um grupo entre em férias coletivas até o final deste mês. “No final de janeiro a empresa estava discutindo jornadas adicionais e contratações para atender o volume de produção, mas depois de alguns dias e com o agravamento da falta de peças já houve cortes no volume e a empresa sinalizou que haverá férias coletivas”, apontou Sandro Vitoriano, coordenador do Comitê Sindical da Mercedes-Benz, em comunicado.

Caoa Chery – A Caoa Chery afastou temporariamente 450 pessoas de sua fábrica de Jacareí (SP). A unidade, que emprega 700 pessoas, produz os modelos Tiggo 2, Tiggo 3x, Arrizo 5 e Arrizo 6. O motivo seria a falta de semicondutores no mercado, que impactaria diretamente a produção de veículos na planta.

No dia 25 de fevereiro, os metalúrgicos da Caoa aprovaram, em assembleia, a proposta de lay-off na fábrica. A proposta prevê 52 dias de layoff, podendo ser encerrado ou estendido de acordo com a situação do mercado, 60 dias de estabilidade durante e após a volta ao trabalho e o pagamento de 100% do salário líquido.

Porém, de acordo com informações publicadas no site do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, a aprovação depende da aceitação da empresa ao pagamento do 13º salário aos trabalhadores que tiverem o contrato suspenso temporariamente. Nas negociações com a Caoa, o Sindicato reivindicou a garantia de estabilidade no emprego para os operários durante e após o layoff e a manutenção de todos os direitos.

Yamaha – Em nota, a Yamaha Motor da Amazônia informou que “em vista da necessidade de ajuste da produção ao fluxo de recebimento de insumos”, as suas atividades serão reduzidas parcialmente e temporariamente de 3 de março até 31 de maio de 2022, regressando ao ritmo normal no dia 01 de junho.

A Anfavea – Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores prevê que as restrições na oferta de semicondutores devem se manter neste ano, mas em um grau inferior ao de 2021. A normalização das entregas é esperada apenas em 2023.

Receba notícias
em seu e-mail

Usinagem Brasil © Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por:

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Privacidade.