São Paulo, 22 de maio de 2022

Apoio:

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio

05/02/2022

O desempenho (muito) positivo da Romi em 2021

(06/02/2022) – A Romi obteve excelente desempenho no ano de 2021, como já apontavam todos os balanços trimestrais divulgados ao longo do ano. A companhia fechou o exercício com aumento da receita operacional líquida de 42,2%, com faturamento de R$ 1,38 bilhão. A entrada de pedidos somou R$ 1,73 bilhão no ano, enquanto a carteira de pedidos chegou a R$ 795,3 milhões ao final do ano.

“Na Unidade de Máquinas Romi, a receita operacional líquida, em 2021, apresentou crescimento de 61,3% em relação ao ano de 2020, decorrente da consolidação do sucesso das novas linhas de produtos e da retomada da demanda nos mercados interno e externo”, informa o relatório de balanço. “A evolução da receita, aliada ao controle efetivo das despesas operacionais, resultou em um crescimento de 107,1% no lucro operacional, nesse mesmo período de comparação”.

“O ano de 2021 se encerrou indicando a continuidade de um ambiente favorável para a realização de investimento, conforme iniciado em meados de 2020. Essa recuperação importante no volume de negócios pode ser notada em todas as unidades, tanto nos negócios para o mercado doméstico, quanto exportações e na Unidade de Negócio Burkhardt+Weber”, comentou Luiz Cassiano Rosolen, diretor-presidente da companhia.

Na visão do executivo, ainda que existam algumas incertezas, a tendência é de manutenção do crescimento. “Embora o atual nível de juros reais e as perspectivas indiquem a sua elevação, o atual patamar cambial e os custos e disponibilidade logística global continuam estimulando a indústria nacional e o país em geral a destinar uma maior parcela da produção para o Brasil, assim como buscar maior produtividade e preservação da competitividade”, disse.

“No mercado externo, também temos notado uma recuperação dos pedidos por máquinas, não apenas para Máquinas Romi, mas também Máquinas BW, essa última com pedidos relevantes concretizados durante 2021”, comenta Rosolen, acrescentando que “esses pedidos são reflexos da recuperação econômica e consequente volume crescente de oportunidades, tanto no continente asiático, quanto na Europa”.

Entrada de Pedidos – Na Unidade de Máquinas Romi, a entrada de pedidos apresentou crescimento de 45,3% em relação a 2020. Segundo a empresa, este é “um reflexo do ambiente favorável aos investimentos, da tecnologia embarcada nos nossos produtos e das novas alternativas de negócios, como, por exemplo, a locação de máquinas”.

Já na Unidade de Fundidos e Usinados, o crescimento da entrada de pedidos atingiu 99,3%, quando comparada ao ano de 2020, reflexo da continuidade dos pedidos das peças de grande porte para o setor de energia e da retomada de todos os demais segmentos industriais atendidos por essa unidade.

Também na Unidade Burkhardt+Weber, integrante do grupo com sede na Alemanha, os pedidos evoluíram, atingindo 28,3 milhões de euros, o que representa crescimento de 44,8% em relação ao ano de 2020, reflexo da retomada dos projetos antes paralisados em virtude da pandemia.

Ao final do ano, o total da carteira de pedidos da companhia, que alcançou R$ 795,3 milhões, apresentou alta de 55,9% em relação ao mesmo período de 2020.

Rosolen lembrou ainda que, diante dos sinais mais concretos da retomada ocorrida em 2020, a Romi “se preparou, principalmente, em relação aos pedidos de matérias-primas e componentes junto à cadeia de suprimentos, o que tem permitido que possamos atender aos clientes em um prazo adequado e competitivo”, concluiu.

Receba notícias
em seu e-mail

Usinagem Brasil © Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por:

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Privacidade.