São Paulo, 20 de maio de 2022

Apoio:

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio

15/01/2022

Empresários entram em 2022 menos confiantes, diz CNI

(16/01/2022) – Os empresários industriais brasileiros começaram o ano de 2022 um pouco mais desanimados do que no final do ano passado. De acordo com o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), pesquisa mensal elaborada pela CNI – Confederação Nacional da Indústria, o índice caiu 0,7 ponto em janeiro de 2022 em relação a dezembro de 2021, passando de 56,7 pontos para 56 pontos.

O recuo reverte de maneira até curiosa o avanço da confiança registrado na comparação entre novembro e dezembro do ano passado, já que este também foi de exato 0,7 ponto – só que para cima.

O ICEI varia entre 0 e 100 pontos, tendo uma linha de corte em 50 pontos. Dados acima de 50 indicam confiança e abaixo, a falta de confiança. Foram entrevistadas para a pesquisa 1.209 empresas entre os dias 3 e 7 de janeiro.

Além de menos otimista que no final de 2021, o empresário também entra em 2022 menos esperançoso do que em outros anos. O ICEI de janeiro deste ano é inferior ao registrado nos mesmos meses de 2018 a 2021. De fato, o indicador ficou, por exemplo, em 60,9 pontos em janeiro do ano passado e em 65,3 pontos em janeiro de 2020.

Segundo a CNI, os resultados se devem à frustração de expectativas diante do alto grau de incertezas do cenário econômico em 2022, influenciado pelo novo aumento de casos de Covid-19.

“O avanço da contaminação no Brasil, que tem levado ao afastamento de funcionários, assim como as restrições adotadas por alguns países devido ao recrudescimento da pandemia, mina a confiança de uma continuidade da retomada econômica e normalização do acesso a insumos”, avalia o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, segundo quem no fim do ano passado havia uma esperança de melhora do ambiente econômico com a virada do ano.

Dentro dos componentes do ICEI, o Indicador das Condições Atuais recuou 0,4 ponto e ficou em 49,6 pontos – portanto, uma percepção negativa na comparação com os últimos seis meses, o critério utilizado para este índice.

Quanto aos próximos seis meses, os entrevistados estão otimistas, porém também menos que em dezembro. O Índice de Expectativas recuou 0,9 ponto na comparação entre os dois meses, ficando em 59,2 pontos.

Receba notícias
em seu e-mail

Usinagem Brasil © Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por:

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Privacidade.