São Paulo, 16 de maio de 2022

Apoio:

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio

27/11/2021

Qual é a expectativa com retorno das feiras presenciais?


(28/11/2021) – O setor de eventos foi um dos mais prejudicados pela pandemia de coronavírus. Desde o ano passado, as empresas promotoras de feiras têm buscao alternativas para não paralisar totalmente as suas atividades, que passaram a ser 100% digitais. Com a possibilidade de retorno dos eventos industriais presenciais em 2022 é grande a expectativa de organziadores e expositores.

De acordo com dados da Abrape – Associação Brasileira dos Promotores de Evento, as medidas preventivas adotadas em 2020 atingiram 97% do setor, o qual corresponde a 4,32% do PIB nacional. Segundo a entidade, os eventos movimentam anualmente R$ 270 bilhões e promovem mais de 590 mil atividades/ano. Com o retorno das atividades presenciais e o avanço do calendário vacinal, o setor tem altas expectativas para 2022.

A Ubrafe – União Brasileira de Feiras e Eventos de Negócios estima que desde o início da paralisação do setor, há 18 meses, mais de R$ 1,5 trilhão deixaram de ser gerados em volume de negócios.

Feimec e Agrishow – A Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos – afirma que está acompanhando o retorno dos eventos neste último trimestre de 2021 e que a satisfação e motivação de expositores e visitantes tem sido motivadora. Após este longo período sem a realização de feiras presenciais, “todos estão ansiosos para a realização das feiras. E, apesar das realizações digitais, constatou-se que os eventos físicos ainda não são substituíveis”, diz Lariza Pio, gerente de Marketing na Abimaq.

Junto à empresa Informa Markets, a entidade realizará em 2022 dois grandes eventos voltados ao setor de bens de capital: a Feimec – Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos (3 a 7 de maio de 2022) e a Agrishow – Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação (25 a 29 de abril de 2022). “Estamos recebendo manifestações de empresas associadas e não associadas, interessadas na Feimec, Agrishow e outros eventos. Em algumas feiras não há espaço disponível, pois já estavam completos quando foram adiadas. Agora os promotores estão administrando os novos interessados. Pelo que estamos acompanhando, os eventos serão realizados com muito sucesso, diante da procura pelas empresas de diversos segmentos”, aponta Pio.

A Informa Markets acelerou o processo digitalização de suas atividades por conta da pandemia. “De um dia pro outro virou uma chave e passamos a fazer 100% dos eventos em formato digital. Do ponto de vista da Agrishow, foi uma grande surpresa a adesão do mercado, com alta audiência”, conta Leonardo Marsola, gerente de Marketing do evento. Mesmo com o êxito nos eventos virtuais, Marsola destaca que todos estão à espera do evento físico. “A nossa expectativa é muito alta. Mesmo com protocolos sanitários mais rígidos, teremos uma adesão muito grande do mercado e do público”.

Demanda represada – Liliane Bortoluci, diretora da Informa Markets para a Feimec e a Agrishow, aponta que existe uma demanda represada do público que está aguardando a retomada dos eventos presenciais. “As interações digitais são muito positivas, mas os negócios ainda acontecem mais presencialmente. Tivemos marcas que geraram bons negócios por meio de interações digitais, mas muitos ainda esperam por oportunidades de demonstração de seus produtos para aumentar o volume de negociações e vendas”, afirma.

Para a próxima edição da Feimec, a organização conta que já são muitas marcas confirmadas para o evento. “As empresas não desistiram de participar dos eventos, inclusive nas edições digitais”, comenta Bortoluci. Durante o período sem eventos presenciais, o principal produto da Informa Markets para o público da Feimec e da Expomafe foi o Indústria Xperience. “Já tivemos três edições, em novembro de 2020 e em junho e novembro de 2021. O evento teve bastante repercussão, o que mostra que o público continua ativo, interagindo digitalmente com os produtos e marcas”, complementa.

A próxima edição da Feimec será realizada de forma híbrida, com ações digitais e presenciais (pré, durante e pós evento) que ainda estão em definição pela organização da feira. “O mercado está vendendo muito bem. As marcas participantes estão indo muito bem, mas elas sentem falta deste canal. A pandemia mudou um pouco o comportamento do mercado, mas os eventos presenciais ainda são muito importantes em termos de concretização de negócios”, conclui Bortoluci.

A expectativa da organização da Agrishow também é de fechamento de muitos negócios, já que os expositores se sentem mais motivados presencialmente em uma feira focada em maquinário agrícola. “O período de pandemia nos fez enxergar a Agrishow de uma forma mais ampla, colocando os expositores em contato com o público o ano inteiro. Criamos uma plataforma com uma série de conteúdos dedicados ao público da feira. Chamamos de Jornada Agrishow todo o caminho que percorremos desde a plataforma digital e chegando ao evento presencial em 2022”, detalha Marsola. No próximo ano, além do evento presencial, a Informa Markets está planejando uma versão digital da Agrishow para o segundo semestre.

Feicon – Assim como o setor agro, o segmento de construção civil não foi fortemente impactado pela pandemia. Assim, as expectativas para a próxima edição da Feicon – 29 de março a 1º de abril de 2022 – também são bastante altas. Quando a pandemia chegou ao Brasil, a edição de 2020 da feira organizada pela Reed Exhibitions já estava pronta e precisou ser adiada. Lúcia Mourad, gerente da Feicon, conta que com o cancelamento e falta de previsibilidade do retorno das atividades, a Reed começou a investir na geração de conteúdo e criou a plataforma FeiConnect, que engloba diferentes formatos, como blog, podcast, entre outros. “Mantivemos a nossa base de visitantes engajada. Em seu segundo mês, a FeiConnect já era a página mais acessada do site da Feicon”, ressalta Mourad.

A gerente aponta que a expectativa para o presencial, apesar do sucesso dos eventos virtuais, é realmente muito grande. “Foi um dos setores que menos sofreu com a pandemia, é uma atividade essencial que nunca para. O presencial vem para reforçar o relacionamento desenvolvido nesses meses em que estivemos parados. É uma indústria que trabalha muito com visitas ao cliente, com contato presencial. Os fabricantes e varejistas estão muito animados”, diz Mourad. Em termos de comercialização, a feira já vendeu mais de 98% da meta estipulada para 2022.


Sim aos eventos – Uma pesquisa realizada e publicada recentemente pela Abrape, “Os eventos pós covid-19”, mostra que 8 entre 10 brasileiros querem ir a eventos.

Para o estudo, foram feitas perguntas relacionadas a diferentes tipos de eventos: feiras e exposições, shows, eventos em casas noturnas, palestras e congressos etc. Com o avanço da vacinação e o retorno das atividades, a intenção de frequentar eventos atinge 79% dos entrevistados. Neste contexto, a preocupação com a pandemia (em queda desde junho) chega ao seu menor índice (7,3), mostrando que 35% dos entrevistados estão moderadamente preocupados.

Mesmo com a queda de 57% da percepção de risco, as medidas de segurança sanitária são bem vistas e desejadas. A comprovação da vacina e/ou testes negativos e eventos restritos a vacinados e/ou testados continua sendo o melhor caminho para trazer segurança ao público e ao evento neste momento, indica o estudo. Comprovações digitais, como o “passaporte verde” e o app do SUS, apresentam alto engajamento e podem ser promissores, fornecendo segurança e conveniência ao público (Reportagem de Sheila Moreira).

Receba notícias
em seu e-mail

Usinagem Brasil © Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por:

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Privacidade.