São Paulo, 02 de Agosto de 2021

  • Notícias

    Toyota inicia preparativos para reabrir 3º turno


    (13/07/2021) - A Toyota já está trabalhando para retomar o terceiro de turno de produção na planta de Sorocaba em 2022. A informação foi divulgada pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região (SMetal), que se reuniu com representantes da montadora na última segunda-feira, 5, para dar início às negociações para a reabertura do terceiro turno na empresa.

    De acordo com o SMetal, a recriação do terceiro turno - que foi encerrado em junho de 2019 - está prevista para 2022 e deve gerar cerca de 400 empregos por meio de contrato por prazo determinado. As contratações devem acontecer ainda este ano.

    Leandro Soares, presidente do SMetal, lembrou que o aumento de produção na Toyota deve impactar os fornecedoras da montadora. “Todo investimento gera uma geração na cadeia produtiva e tem a capacidade de garantir novos postos de trabalho nas empresas que fornecem para Toyota. Vamos acompanhar e buscar condições para que isso de concretize”.

    Leandro também enfatiza que o Sindicato vai negociar o melhor acordo possível para os trabalhadores. “Temos o compromisso de defender a categoria e vamos tratar disso nas negociações com a Toyota, buscando medidas que garantam, além dos empregos, todos os direitos para os futuros contratados”.

    Segundo Soares, em 2019, após o fechamento do terceiro turno na empresa, o SMetal trabalhou para trazer a plataforma TNGA para Sorocaba, o que garantiu que a planta local pudesse fabricar diversos veículos da montadora. O esforço do Sindicato foi fundamental para o investimento de R$ 1 bilhão na planta local, gerando centenas de empregos.

    “Se hoje temos condições de negociar novamente o terceiro turno na Toyota é um fruto do trabalho do SMetal, que não mediu esforços para garantir investimentos da montadora para cidade. Nosso papel, para além de defender os trabalhadores, é criar condições para a manutenção dos empregos e também para geração de novos postos de trabalho, como é o caso agora”.