São Paulo, 24 de Junho de 2021

  • Notícias

    Montadoras paralisam fábricas por falta de semicondutores


    (02/06/2021) - A falta de semicondutores está obrigando montadoras a suspender a produção de automóveis no Brasil, a exemplo do que já vinha ocorrendo em vários outros países. Em março, o problema já havia paralisado a fábrica da GM em Gravataí (RS). Nesta semana, outras duas montadoras anunciaram medidas semelhantes: a Volkswagen e a Nissan.

    Com isso, duas fábricas da Volkswagen no País terão as atividades produtivas suspensas a partir de 7 de junho, por 10 dias: as de São José dos Pinhais, no Paraná, e a de Taubaté, em São Paulo. Nesta última, cerca de 2 mil trabalhadores dos dois turnos da planta serão colocados em férias coletivas.

    Segundo a montadora, desde o final do ano passado a falta de semicondutores tem causado problemas para a indústria automotiva mundial. “A escassez significativa de semicondutores está levando a vários gargalos de fornecimento em muitas indústrias globalmente”, informou a empresa em nota à imprensa.

    “A Volkswagen do Brasil tem trabalhado intensamente e com sucesso, internamente e em parceria com a nossa matriz, para minimizar os efeitos da escassez de semicondutores para a produção em suas fábricas no Brasil. Até hoje, as nossas unidades no país não foram afetadas em maior escala. Entretanto, com o agravamento do cenário e com base na situação atual, presumimos que o fornecimento de semicondutores continuará a ser limitado ao longo das próximas semanas", diz a nota da montadora.

    Nissan – O desabastecimento de semicondutores também é o motivo que levou a Nissan a anunciar que planeja suspender a produção na fábrica de Resende (RJ) por 5 dias. As datas da paralisação ainda não foram definidas, pois, segundo a empresa, dependem do volume exato de componentes eletrônicos que estão chegando ao País nos próximos dias. “O que já se sabe, porém, é que a suspensão da linha de montagem se dará em dias alternados, e não concentrados em uma única semana”, informou o site Automotive Business. Os cinco dias de interrupção da linha de montagem devem ocorrer ao longo do mês de junho.

    General Motors - A GM comunicou na semana passada que irá paralisar a produção da fábrica de São Caetano do Sul, no ABC paulista, por seis semanas, a partir de 31 de maio. Entre os motivos, de acordo com nota enviada à imprensa, está o fato de que a unidade será preparada para receber um novo produto que completará a linha de picapes (como divulgado na semana passada aqui no Usinagem-Brasil), além dos impactos da pandemia na cadeia de suprimentos, que têm provocado a falta de peças e componentes.

    Com isso, as duas principais unidades da montadora no Brasil serão paralisadas. Na fábrica de Gravataí (RS), a produção está suspensa desde março, com previsão de retomada das operações neste mês de junho. Neste caso, o motivo informado é a falta de peças, em especial semicondutores.

    A íntegra da nota da GM enviada à imprensa, na semana passada, é a seguinte: “Conforme anunciamos recentemente, a fábrica da GM em São Caetano do Sul (SP) vai começar a ser preparada para receber um novo produto que completará a linha de picapes Chevrolet no futuro, dentro do novo plano de investimentos de R$ 10 bilhões. As readequações necessárias na linha de montagem, decorrentes deste processo, vão impactar temporariamente a produção. Considerando a dinâmica da pandemia e os impactos na cadeia de suprimentos, estabelecemos junto com o sindicato medidas com o objetivo de manter empregos”.