São Paulo, 24 de Junho de 2021

  • Notícias

    Equipe brasileira desenvolve nova plataforma veicular da Fiat


    (30/05/2021) - A nova plataforma que será a base de alguns futuros veículos da Fiat - inclusive do inédito SUV da marca, o Progetto 363, que deverá ser lançado em breve no Brasil - foi em grande parte desenvolvida pela equipe brasileira do polo automotivo da montadora, em Betim (MG).

    Completamente modular, a plataforma, batizada de MLA, foi projetada para atender tanto o novo SUV da marca como veículos comerciais leves, com foco na segurança veicular, conforto, dirigibilidade e aptidão para novos sistemas de powertrain. É tida pela direção da Stellantis, o grupo que reúne a Fiat Chrysler e a Peugeot-Citroen, como a mais moderna já desenvolvida localmente pela companhia.

    “O desenvolvimento de uma nova plataforma é sempre um desafio enorme, principalmente devido às novas demandas tecnológicas que os automóveis terão de atender nos próximos anos”, diz Marcio Tonani, responsável pelos Centros Técnicos de Engenharia da Stellantis para a América do Sul. “O nosso desafio foi ainda maior porque esta arquitetura da Fiat veio também para inaugurar uma estrutura veicular completamente nova”.

    De acordo com Tonani, uma plataforma, é literalmente, a base para o DNA do carro. É a partir dela que se determina tecnicamente as opções de motorização, direção, suspensão e até as partes elétrica e eletrônica do automóvel.


    “Por isso, é da plataforma que a performance do veículo depende de uma maneira geral, ou seja, é ela que determina em grande parte os resultados de dirigibilidade do veículo, desde a segurança ativa e passiva, passando pelo conforto e até a estabilidade”, acrescenta o executivo.

    Para o novo SUV da Fiat, a plataforma MLA fornecerá novas suspensões dianteira e traseira, sistema de direção específico para o modelo, opção de motores turbo e aspirado e novas transmissões.

    Trará ainda uma exclusiva arquitetura elétrica com suporte a gestão inteligente com uso extensivo da eletrônica, como central multimídia de última geração e sistemas de auxílio à condução. Isto, sem abrir mão da otimização em eficiência energética, máxima performance em segurança ativa e passiva.

    O projeto envolveu um verdadeiro exército de engenheiros e técnicos da empresa comandados do Brasil, mas também lotados em centros de engenharia de outros países. Dentre técnicos, engenheiros, times de campo e fornecedores, mais de 200 pessoas envolveram-se com a nova plataforma MLA.

    Só de cálculos e simulações foram mais de 5 mil horas. Elas se somaram a mais de 2 milhões de quilômetros de rodagem real em estradas e pistas de testes de simuladores de chassis. Tudo isso consumiu mais de 24 meses de trabalho e exigiu total integração entre as várias áreas de engenharia, desenvolvimento e validação.

    “As plataformas que dão origem aos carros produzidos hoje em Betim são ainda muito competitivas, mas a chegada do Progetto 363 nos impulsionou de repente para o futuro”, observa Tonani. “Não só por causa das características desse novo SUV, mas também para atendermos os patamares de tecnologia, segurança, conforto e dirigibilidade que o mercado passará a exigir cada vez mais”.