São Paulo, 18 de Abril de 2021

  • Notícias

    Embraer testa protótipo de carro voador


    (04/04/2021) - O mercado brasileiro pôde finalmente conhecer de perto o futuro carro voador da Embraer. A empresa promoveu no último dia 24 de março, na unidade de Gavião Peixoto, no interior de São Paulo, um voo experimental do protótipo em escala reduzida do veículo, que foi projetado na categoria eVTOL (isto é, capaz de operar com decolagem e pouso vertical) e terá propulsão elétrica.

    O eVTOL da Embraer será dotado de 10 hélices, sendo 8 na horizontal e 2 na vertical, e na aparência lembrará mais um drone de porte avantajado do que um automóvel, avião ou helicóptero.

    Neste aspecto, ele é semelhante aos aparelhos que vêm sendo desenvolvidos pelas empresas rivais nesta aérea - Boeing, Airbus e mais de uma dezena de montadoras e empresa de alta tecnologia –, comprovando o que hoje dizem os engenheiros, que este tipo de veículo ainda não chegou a um desenho definitivo.

    Projetado para transportar passageiros, o carro voador da Embraer deverá, no início, ter um piloto no comando, mas a intenção da companhia é que, no futuro, o voo seja totalmente autônomo, monitorado por um centro de controle.

    A apresentação oficial do protótipo foi um passo importante da Embraer para o avanço de um projeto bem mais amplo, que inclui não só o carro voador, mas todo um ecossistema de mobilidade aérea urbana.

    A estratégia da companhia é de desenvolver um pacote fechado no segmento de carros voadores: além do veículo propriamente dito, todo um ecossistema de apoio, incluindo pontos de embarque e sistema de gestão de tráfego. O projeto foi batizado pela Embraer de Eve Urban Air Mobility Solutions.

    Uma empresa com este mesmo nome foi, inclusive, criada pela Embraer para levar a ideia adiante: a Eve Urban Air Mobility Solutions, Inc., lançada no final do ano passado por uma das subsidiárias da companhia, a aceleradora de mercado EmbraerX, dentro da qual a Eve foi incubada durante quase quatro anos.

    A ideia é de que a Eve, com o seu espírito de startup, possa contar com maior foco, velocidade e agilidade do que a empresa-mãe, e que inove e execute os projetos de mobilidade urbana em ritmo mais acelerado, de forma a melhor aproveitar as eventuais oportunidades oferecidas.