São Paulo, 18 de Abril de 2021

  • Notícias

    Indústria de máquinas tem melhor janeiro desde 2015


    (28/02/2021) - A indústria de máquinas e equipamentos iniciou 2021 com resultados positivos. Na comparação com janeiro de 2020, as vendas tiveram elevação de 38,5%. Trata-se do melhor mês de janeiro desde 2015, segundo a Abimaq, que apresentou o balanço do setor na última quarta-feira, em coletiva de imprensa.

    “Terminamos o ano de 2020 muito bem e janeiro seguiu na mesma toada. É um número bastante expressivo o quanto faturamos a mais no mês passado em comparação com janeiro de 2020, quando ainda não havia pandemia”, disse José Velloso, presidente-executivo da Abimaq. “Outro número que chama a atenção é o crescimento das vendas no mercado interno, de 50%”.

    O executivo destacou ainda outros números do balanço mais recente, como o de empregos, que mostra alta de 8% em relação a janeiro de 2020. “Estamos também com a melhor carteira de pedidos do setor desde 2017”, disse. A carteira de pedidos do setor registrou média de 11,6 semanas para atendimento, quase duas semanas acima da média de 9,9 semanas de janeiro de 2020. “Não tínhamos uma carteira tão alta desde abril de 2017”.

    De acordo com a Abimaq, a maioria dos segmentos apresentou resultado positivo no mercado interno em janeiro. Entre os destaques estão máquinas agrícolas e máquinas para o setor de infraestrutura. No caso de máquinas agrícolas, com aumento de demanda em fabricantes de todos os portes; no caso de infraestrutura, “incentivado, em grande medida, pelo andamento do Programa de Parcerias de Investimento (PPP)”.

    A entidade não citou PPPs específicas, mas lembrou que os associados têm apontado aumento de pedidos das áreas de saneamento, geração de energia (eólica, solar, transmissão e distribuição de energia), portos, além das obras de construção de estradas e terraplenagem, gerando muitos negócios de máquinas da Linha Amarela.

    Presente à coletiva online, Maria Estela Testa, presidente do Sindesan, informou que a demanda por máquinas e equipamentos para a área de saneamento recebeu um impulso após a aprovação do marco legal (que ainda aguarda regulamentação), ocorrida no ano passado. “É um mercado com um potencial enorme. Estamos notando grande celeridade nos projetos já aprovados, nos quais já havíamos trabalhado. Já temos obras no Acre e na Cedae (RJ) que irão trazer um aumento muito grande para os fornecedores de máquinas e equipamentos”, disse.

    “A expectativa do setor [no que se refere ao aumento da demanda por máquinas e equipamentos para a área de infraestrutura] é muito grande. A aprovação dos marcos regulatórios, assim como no caso do saneamento, ainda trarão muitos resultados para o nosso setor”, comentou Velloso.

    Exportações - Importações - As exportações caíram 1,6% na comparação com dezembro e 28,1% em relação a janeiro de 2020. Entre os segmentos que mais cresceram nas vendas ao exterior foram os de máquinas para: Agricultura (+16,1%); Logística e Construção Civil (+16,1%); Indústria de transformação (+16,1%); Bens de Consumo (+7,5%).

    Já as importações, após dois meses consecutivos de alta, registrou queda de 7,5% em janeiro. Em janeiro, os segmentos que registraram alta nas importações foram: Petróleo e energia renovável (+99,3%); Componentes (+11,7%); Bens de Consumo (+2,7%). Os que mais contribuíram para a queda das importações foram: Infraestrutura e Indústria de Base (-37,5%); Logística e Construção civil (-17,6%); Agricultura (-34,6%).