São Paulo, 24 de Fevereiro de 2021

  • Notícias

    Produção de motos em Manaus tem forte retração


    (14/02/2021) - A indústria de motocicletas registrou queda de 27% na produção no último mês de janeiro, na comparação com dezembro. O volume de 53.631 motos produzidas foi, no entanto, quase a metade - exatos 46,5% - do verificado em janeiro de 2020, quando foram produzidas 100,3 mil motocicletas.

    O balanço foi divulgado pela Abraciclo - Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares, na última quarta-feira, 10. Segundo o presidente da entidade, Marcos Fermanian, a principal razão desta queda está na redução das atividades do setor devido à pandemia.

    “A produção de motos no Brasil concentra-se no Polo Industrial de Manaus, no Amazonas, onde o coronavírus recrudesceu fortemente no final do ano passado. As atividades das montadoras e fornecedores foram muito afetadas pelas restrições de horários e circulação determinadas pelo governo estadual”, explicou Fermanian.

    De fato, devido à pandemia, a Honda, principal fábrica do polo e responsável por cerca de 80% da produção de motos no país, teve de interromper duas vezes a produção em janeiro, por falta de peças e insumos. Outras fábricas, como Dafra, Ducatti e Suzuki, também tiveram de paralisar a produção por este motivo.

    Como resultado, a expectativa do setor neste começo de ano de pelo menos reduzir a fila de espera de cerca de 150 mil motos, a maioria adquirida via consórcios, está comprometida. A demanda terá de ser atendida em ritmo menor.

    De qualquer forma, o presidente da Abraciclo disse estar confiante de que o setor poderá fabricar perto de 1,06 milhão de motos ao longo deste ano, e superar em quase 100 mil unidades a produção de 2020, retornando ao patamar de 2019.

    “O impacto de janeiro já estava nos nossos radares”, revelou. “A maior dificuldade daqui para frente, para nós e todos os outros setores da economia, é saber como ficará a situação da pandemia nos próximos meses”.

    Fermanian disse ainda acreditar que a demanda por motos deverá continuar crescendo, a exemplo dos últimos meses de 2020. Apesar da queda de produção no comparativo, de 46,5%, as vendas em janeiro somaram 85,8 mil motocicletas, declínio de somente 6,4% sobre as vendas no mesmo mês do ano passado.