São Paulo, 01 de Abril de 2020

  • Notícias

    Indústrias adotam medidas contra disseminação do COVID-19

    (22/03/2020) - Indústrias da cadeia metal-mecânica começam a adotar medidas preventivas para impedir a proliferação do coronavírus, principalmente dentro de suas instalações.

    A WEG, por exemplo, anunciou na última segunda-feira, 16, a suspensão de viagens de seus colaboradores por 30 dias e a alteração do regime de trabalho para home office onde for possível.

    A empresa também se comprometeu a acompanhar diariamente a evolução da situação em todas as unidades do grupo e intensificar a comunicação sobre o tema com os colaboradores. A WEG irá ainda respeitar os períodos de quarentena estabelecidos pelo Ministério da Saúde e postergar workshops e treinamentos internos com grande concentração de pessoas, além de limitar o acesso de visitantes ao mínimo necessário.

    A Gerdau também passou a restringir visitas de negócios à empresa, mas apenas para profissionais que estiveram no exterior. Irá, por enquanto, seguir recebendo clientes e fornecedores brasileiros. A ação, que vale para todo o Brasil, não possui ainda um prazo de duração.

    A Vitor & Buono, distribuidora de máquinas com sede na capital paulista, comunicou ao mercado que irá aderir ao expediente da equipe em home office a partir desta segunda feira (23). O atendimento da equipe de vendas permanecerá normal nesse período, através dos telefones, emails e WhatsApp. Para entregas e retiradas de material deverão ser devidamente agendadas.

    Já a OSG Sulamericana, fabricante de ferramentas com sede em Bragança Paulista (SP), informou que está disponível para prestar atendimento remoto ou via telefone para todos os clientes. “Em casos emergência, o atendimento também poderá ser presencial, seguindo todas as regras de proteção necessárias. Para tanto, caso necessário, contate nosso vendedor de seu contato que diligentemente os atenderá”, informa.

    Internamente, a empresa adotou vários procedimentos como o cancelamento de viagens internacionais. Já as viagens nacionais não estão proibidas, “porém deverão passar por análise do gestor da área e devem ser evitadas ao máximo (principalmente deslocamento entre interestaduais e viagens de avião)”. Visitas a empresas/clientes não estão proibidas, “porém o visitante deverá ficar atento às recomendações da empresa visitada e verificar anteriormente se seu acesso será liberado para evitar perda de viagens”, entre outros.

    A OSG informa ainda que até o momento as entregas de produtos e serviços não foram paralisadas, “estamos acompanhando a evolução da doença e, caso seja necessário, novas ações serão tomadas. Considerando a demanda atual, temos recursos de estoque e de insumos para operarmos os próximos três meses”.

    A Tupy comunicou ter adotado como prioridade a preservação da saúde das pessoas, dos empregos e a manutenção do abastecimento de seus clientes. “Acreditamos que todos devem se unir em prol da prevenção, evitando o aumento da proliferação da pandemia do Coronavírus (Covid-19). Diante disso e em alinhamento com o Decreto Nº 515, promulgado em 17 de março pelo Estado de Santa Catarina, a Companhia irá conceder 10 dias de férias coletivas, colaborando com os esforços promovidos pelos governos federal, estadual e municipal para evitar a propagação da doença”, informou.

    As montadoras de veículos também estão se mexendo, existindo a hipótese de muitas delas decretarem férias coletivas para combater o coronavírus (Veja matéria nesta edição).

    A Randon e Marcopolo, a exemplo de outras empresas, anteciparam a campanha de vacinação contra a gripe H1N1. As empresas gaúchas, que divulgaram comunicado conjunto, informam também que vêm adotando gradualmente medidas de precaução desde os primeiros alertas da Organização Mundial da Saúde (OMS), ainda no mês de janeiro.

    Desde a última quarta-feira, 18, gestantes, pessoas que tenham mais de 60 anos, sejam imunodeprimidas, asmáticas, hipertensas, cardíacas, diabéticas ou apresentem quadros de câncer, estão sendo avaliadas. As duas empresas cumprirão as determinações médicas.

    Para colaboradores que não tenham com quem deixar seus filhos, nos casos de escolas que não estejam funcionando, as empresas avaliarão cada caso. A ampliação do home office é outra medida tomada para evitar a proliferação do vírus.

    Outras providências são o isolamento domiciliar aos profissionais que retornaram de viagens internacionais, ou de cidades brasileiras em que já existe transmissão comunitária (com acompanhamento médico conforme a necessidade), cancelamento de viagens internacionais e restrição de viagens nacionais e regionais.

    Encontros presenciais, como reuniões e treinamentos, estão sendo substituídos por videoconferências, e eventos internos e externos, cancelados ou postergados. As visitas presenciais também foram restringidas.

    A higienização dos espaços compartilhados, como banheiros, vestiários, restaurantes e veículos de transporte de colaboradores, também está sendo reforçada, e aumentada a oferta de álcool em gel em pontos estratégicos das unidades.