São Paulo, 15 de Novembro de 2019

  • Notícias

    Fiat Chrysler e Peugeot-Citroën planejam fusão

    (03/11/2019) - Os grupos PSA (Peugeot-Citroën) e FCA (Fiat Chrysler) divulgaram na última quinta-feira, 31, mais detalhes sobre as negociações que vêm encaminhando com vista a uma possível fusão.

    O novo grupo nasceria como o quarto maior fabricante de automóveis do mundo em unidades vendidas, cerca de 9 milhões. As receitas combinadas seriam de quase 170 bilhões de euros e o lucro ficaria acima dos 11 bilhões de euros.

    Pelo comunicado, as ações do novo grupo seriam divididas em partes iguais (50%/50%) entre os acionistas da FCA e da PSA, da mesma forma que os lucros. O número de indicações para o conselho de administração também seria repartido, com 5 para cada um deles.

    Apesar das origens italianas da Fiat, americanas da Chrysler e francesas da Peugeot e da Citroën, o grupo teria sede na Holanda, com representação nas bolsas de Milão, Paris e Nova York. O atual presidente da FCA, John Elkann, seria o presidente do novo grupo e o atual executivo-chefe do grupo PSA, Carlos Tavares, seria o CEO.

    Um dos objetivos da fusão é o de unir as forças da FCA na América do Norte e na América Latina com as da PSA na Europa, e de também ocupar aos poucos os segmentos de eletrificação automotiva, direção autônoma e conectividade.

    Imediatamente, cooperações seriam feitas nas áreas de carros populares, premium, luxo, SUVs e comerciais leves, algo factível devido ao portfólio de modelos dos dois grupos, reunidos, ser um dos maiores do mercado automotivo mundial.

    Hoje, a FCA é controladora das marcas italianas Fiat, Alfa Romeo, Lancia e Maserati e das marcas americanas Chrysler, Dodge e RAM. Já a PSA detém as marcas francesas Citroën, DS e Peugeot, a alemã Opel e a inglesa Vauxhall, as duas últimas compradas da General Motors em 2017.

    Os dois grupos também afirmaram no comunicado que nenhuma fábrica seria fechada. No Brasil, por exemplo, a PSA tem fábrica em Resende (RJ) e a FCA, em Betim (MG) e Goiana (PE).

    Para a FCA, a fusão com a PSA coroaria o esforço de alguns anos de se aliar a outras companhias para efeitos de sinergia e de aumento da lucratividade. A FCA já negociou alianças com a GM, Volkswagen e Renault-Nissan, mas sem obter êxito.


    Voltar