São Paulo, 27 de Junho de 2019

  • Notícias

    Máquinas e equipamentos fecha 1º quadrimestre em alta


    (02/06/2019) - O setor de máquinas e equipamentos fechou o primeiro quadrimestre de 2019 com alta de 5,8% sobre o mesmo período do ano passado. Apesar do resultado positivo, a Abimaq - que divulgou os dados do setor na semana passada - frisa que os números registrados até aqui apontam para uma desaceleração do crescimento: era de 6,3% no primeiro trimestre e caiu para 5,8% agora. A entidade reforçou a expectativa de que setor deve crescer neste ano, mas abaixo do alcançado no ano passado, quando registrou elevação de 7%.

    Segundo a entidade, o resultado mais fraco nos últimos dois meses se deve ao encolhimento dos investimentos no mercado doméstico, que caiu 8,7% em março e 18% em abril. A alta registrada em abril, de 2,4%, sobre março, é resultado do aumento das exportações.

    Aliás, no mês de abril, as exportações do setor voltaram a superar a marca de US$ 1 bilhão após 63 meses consecutivos. Entretanto, essa marca – que representou aumento de 25,5% sobre março - não deve ser repetida nos próximos meses, na avaliação do departamento de Economia e Estatística da Abimaq, pois foi obtida graças a três negócios específicos, que somaram US$ 268 milhões. São eles: a exportaçãode máquina-ferramenta para serrar madeira; máquina para limpar/selecionar ovos e outros produtos agrícolas; e transportadores e/ou elevadores de carga.

    Já as importações em abril cresceram 3,3% em relação a março, mas diminuíram 4,6% na comparação com abril de 2018. De acordo com os dados da Abimaq, no primeiro quadrimestre apenas 3 dos 7 grupos de usuários de máquinas e equipamentos importados cresceram: indústria de transformação; máquinas para agricultura; componentes para a indústria de bens de capital.

    O resultado é que o consumo aparente - e portanto o volume total de investimentos em máquinas e equipamentos - caiu 5,5% em abril na comparação com o mês anterior e 6,9% em relação a abril de 2018. No acumulado do ano, porém, o índice é positivo: 6,3%.


    Voltar