São Paulo, 23 de Fevereiro de 2020

  • Empresas

    Incertezas políticas travam investimentos, diz Makino


    (28/05/2018) - Fabricante de máquinas-ferramenta de alta tecnologia, a Makino saiu da Feimec, feira de máquinas e equipamentos realizada no final de abril, com inúmeros projetos para trabalhar. “Um volume grande, que nos obrigou inclusive a recorrer à equipe de engenharia da Makino USA”, conta Carlos Eduardo Ibrahim, diretor-geral da filial brasileira, ressalvando porém que apesar do número grande de projetos não acredita que eles se transformarão em pedidos no curto prazo.

    “Pedidos de uma ou duas máquinas até podem ser concretizados no curto prazo, mas projetos multimáquinas, como chamamos aqueles que envolvem um maior número de máquinas, ou seja, os investimentos de maior porte, esses devem demorar um pouco mais a se concretizar”, informa. “As incertezas sobre as eleições presidenciais de outubro estão travando os investimentos. As indústrias estão em compasso de espera e enquanto não houver definições claras sobre o cenário político, sobre quais serão os candidatos e as perspectivas de cada um, os projetos de investimento de maior porte continuarão na fase de estudos”.

    Ibrahim conta que realizou bons contatos na feira e que lá surgiram muitos projetos interessantes dos mais variados segmentos: automotivo, moldes e matrizes, aeroespacial, veículos pesados, máquinas agrícolas... “Isso mostra que o mercado está em aquecimento, mas acredito que as definições só devem começar a ocorrer a partir de agosto ou outubro ou até mesmo no início de 2019”.

    EMPRESAS DA REGIÃO SUL - Ainda sobre o reaquecimento, o diretor diz ter notado um bom movimento de empresas dos três Estados da Região Sul visitando a feira. “Muitas dessas empresas não compareciam às feiras em São Paulo há três anos e vieram não os gerentes, mas também o pessoal de engenharia. O custo para tanto mostra que as empresas do Sul estão realmente com intenção de investir”, diz Ibrahim, acrescentando que acredita que “o mercado da Região Sul está mais aquecido e as empresas de lá estão se antecipando, aumentando a produtividade e se preparando para quando o mercado retomar.”


    Voltar