São Paulo, 23 de Outubro de 2017

    Opinião/Crônicas

    Expomafe, uma ampla vitrine para a manufatura


    (*) Alfredo Ferrari

    (18/09/2016) - A Expomafe, criada para ser a mais importante exposição de máquinas-ferramenta e sistemas integrados de manufatura da América Latina e do Hemisfério Sul, ocorrerá num momento muito propício, em que o Brasil estará certamente retomando o rumo do crescimento econômico e do desenvolvimento industrial, com base nos investimentos em máquinas e equipamentos que deverão ser realizados.

    Há cerca de um século, o Brasil se projeta no mercado internacional como um tradicional produtor de bens de capital, incluindo máquinas-ferramenta. O país é detentor de uma vasta experiência na criação e produção de máquinas e equipamentos de alta qualidade e desempenho, competindo com os mais exigentes mercados internacionais.

    Isso é um fato. De outro lado, sabemos que a economia de um país não pode depender, somente, da produção e exportação de seus produtos primários. A sua riqueza está, além da exploração e comercialização de suas abundantes commodities, na produção de bens duráveis que agregam valor, através da aplicação de modernas tecnologias e inovações.

    A indústria brasileira de máquinas-ferramenta está comprovadamente capacitada para atender a quase totalidade das necessidades de produção no país, com elevado conteúdo tecnológico.

    A Expomafe estará apresentando o que há de mais moderno no que se refere a máquinas-ferramenta, tanto nacionais como importadas, além de sistemas integrados e células flexíveis de manufatura, robôs articulados e manipuladores de peças e barras, equipamentos para o controle da qualidade, acessórios e ferramentas, sistemas eletrônicos para o desenvolvimento de produtos e o controle da produção, entre outros produtos correlatos. Todos esses equipamentos estarão sendo demonstrados com aplicações, através de Células Flexíveis de Manufatura Avançada, baseadas nos conceitos da Indústria 4.0 e IIoT (Industrial Internet of Things).

    A expectativa deste evento é muito grande, uma vez que, em face de uma demanda reprimida volumosa no país, a necessidade de modernizar o seu parque de máquinas-ferramenta, tanto da média como da alta tecnologia, será enorme. Nosso parque instalado conta com uma idade média de aproximadamente 18 anos contra 5 a 8 nos países altamente industrializados. Isto significa que se prevê que os investimentos nas indústrias de manufatura no país serão intensos no decorrer dos próximos anos.

    Para tal, o governo federal deve persistir no estímulo à modernização do parque de máquinas no país, incentivando a sua indústria de bens de capital, através de financiamentos, como as linhas Finame para máquinas e equipamentos e soluções tecnológicas para serviços de engenharia e integração, oferecidos pelo BNDES, e da implantação de novos projetos, como o Modermaq, idealizado pela Abimaq, para a substituição de máquinas-ferramenta sucateadas por novas de moderna tecnologia e de alto rendimento. Com isto, obter-se-ão maiores ganhos de produtividade, de qualidade e de rentabilidade, com crescimento das exportações.

    De outro lado, as academias deverão preparar os seus docentes e investir em seus laboratórios, para realizar a formação da nova geração de especialistas, voltada às novas tecnologias.

    É inadmissível imaginar-se um país com dimensões continentais gigantescas e uma população com mais de 200 milhões de habitantes, como o Brasil, sem uma indústria pujante de bens de capital e, em particular, de máquinas-ferramenta. É uma questão de segurança nacional para um país ter a sua própria indústria de máquinas-ferramenta, a fim de garantir a manufatura de bens duráveis para o seu consumo e para as suas exportações.

    A Expomafe, que ocorrerá de 9 a 13 de maio de 2017, no Pavilhão da São Paulo Expo Exhibition & Convention Center, na Rodovia dos Imigrantes, km 1,5, em São Paulo, estará demonstrando para as indústrias de manufatura os caminhos corretos rumo ao progresso, com base em modernas tecnologias, tornando-as cada vez mais produtivas e competitivas em âmbito mundial.

                      _______________________________________________

    (*) Alfredo Ferrari é engenheiro mecânico e vice-presidente da Câmara Setorial de Máquinas-Ferramenta e Sistemas Integrados de Manufatura da ABIMAQ . Este artigo foi escrito a convite da Informa Exhibitions para o site “A Voz da Indústria” (http://avozdaindustria.com.br).


    Voltar